Movimento Focolares chega na Fazenda da Esperança em Guaratinguetá

Neste domingo (14) a Fazenda da Esperança, em Guaratinguetá, São Paulo, celebrou a missa em ação de graças pela primeira casa do Movimento Focolares dentro da Fazenda da Esperança, que tem como carisma a unidade, a presença de Jesus em meio, onde 2 ou mais reunidos, ali Ele está. O momento foi transmitido ao vivo pela página oficial da Fazenda da Esperança no Facebook (https://www.facebook.com/watch/?v=3779806088753828) e teve duração de três horas. A missa foi presidida pelo Frei Hans e concelebrada pelo Padre Luis de Menezes (presidente da Fazenda da Esperança), Padre Christian e Padre César.

A história do Movimento foi contada durante a missa pelo religioso Lucas Ricardo. “Hoje é um dia festivo, de muita alegria e também de celebrar a unidade que é a nossa esperança. Tudo começou através da vida e vocação de Chiara Lubich, fundadora do Movimento Focolares. Em 1943, aos 23 anos, atraída pela escolha de vida radical de Santa Clara de Assis consagrou-se e entrou para a 3ª Ordem Franciscana”.

“No ano seguinte, em tempo de guerras, ao buscar abrigo durante os bombardeios descobre Deus na sua essência. Deus amor. Após esse chamado, com algumas companheiras, resolve viver radicalmente o Evangelho socorrendo aqueles que mais precisam. Naquele mesmo ano, na praça dos capuchinhos, em um pequeno apartamento alugado dão início ao primeiro núcleo do Movimento, o Focolare. Uma nova casa para uma nova família, assim dizia Chiara. Um local onde seus habitantes, os focolarinos consagrados procuram em tudo construir a presença de Jesus no meio”, narra Lucas Ricardo. Durante a missa foi lida a palavra do Evangelho de João 3,14-21 (Quem age conforme a verdade aproxima-se da luz).

O Frei Hans celebrou a chegada do Movimento à Fazenda da Esperança elogiando Chiara, a fundadora. “São Francisco em poucos anos de sua vida conseguia atrair tantas e tantos. Chiara a mesma coisa. Chiara acreditou nas palavras, tinha fé e queria colocar em prática esse amor. Deus nos ama e o quem que nós amamos? Ele nos dá toda a sua misericórdia e quer que também nós sejamos misericordiosos. E ela acreditou. Precisa entender, numa época que tava caindo as bombas, onde muitas vidas foram destruídas, pior do que a época que estamos vivendo”.

“Mas mesmo assim, ela insistiu. Existe algo que vale mais que é o amor. Eu gostaria que nesta manhã, onde celebramos essa inauguração do Focolare aqui na Fazenda, que ficasse forte no coração de todos, vocês jovens na Fazenda do mundo inteiro, nos Focolares, em tudo, permitimos que Chiara de novo coloca em nossos corações de fogo o amor. Amando. Dando a vida um pelo outro. Não olhar para os defeitos, mas olhar para Jesus Cristo que está no outro e dá a vida um pelo o outro”, pedi o Frei Hans.

Na oportunidade, o Frei Hans lembrou de um encontro com Chiera em Roma, em que ela falava de Jesus abandonado. “Pra mim, se gravou forte duas coisas. Não entendia tudo. Era muito novo, mas fiquei impressionado com duas coisas. Ela dizia toda dor, todo o sofrimento, que o próprio pecado, toda a miséria, tudo, tem um nome: Jesus. Jesus crucificado. Não existe nenhuma dor, nenhuma dor que não está do outro lado Jesus. Isso se marcou dentro de mim, não posso explicar, mas me fascinou e eu disse: mas como é possível, meu próprio pecado, minhas limitações é Jesus? É Jesus”, explica o Frei.

“E depois ela dizia: podemos abraçar esse Jesus, casar com esse Jesus, e assim nasce a vida. Isso foi outra coisa que eu tentei durante toda a minha vida, eu posso dizer: tá certo. Se tem muitas dores, têm muitas graças. Pode abraçar e nasce uma vida nova. A vida natural nós sabemos, estamos aqui porque papai e mamãe se abraçaram, se queriam bem e o fruto somos nós. Mas não nascemos sem a mãe pagar o pato. A dor faz parte da história da humanidade. Na dor nasce a vida. E se nós abraçarmos as nossas dores, quanta vida, quanta vida”, pontua o Frei Hans.

Na ocasião, ele dirigiu a palavra para os acolhidos na Fazenda da Esperança. “E vocês queridos jovens na Fazenda, vocês chegaram machucados de todo o tipo. Eu sei. Quantas vezes eu escutei as vossas histórias, quanto sofrimentos, quantas feridas, quantos machucados. Mas aproveita essas dores, abraçando e assim nasce a vida. Todas as Fazendas, pode chamar qualquer uma, nasceu da dor, no sofrimento. Tudo nasceu para abraçar Jesus abandonado”, aconselha o Frei Hans.

“Vamos escolher Ele como tudo e Ele também na dor. Não tenham medo da dor. Não tenham medo do próprio pecado, passado, as feridas, seja de qualquer jeito, aproveita para gerar vida, ali nasce a esperança. Este é o nosso carisma, levar a esperança e esperança é Deus e só pode nascer se abraçarmos as dores. Não tenham medo. Hoje se fala todo dia na televisão tanta gente morrendo, só fala da morte, e não fala que essa dor é a chance que nós temos para nascer uma humanidade nova. É o momento que nós devemos abraçar para não ficarmos no negativo, mas para abrirmos os olhos para a paz, para a ressureição. A coisa grande acontece quando a alma se aproxima de Deus”, pedi o Frei Hans aos fiéis.

Após a leitura do Evangelho feita pelo padre Luiz de Menezes e antes de apresentar o vídeo, Frei Hans convidou Nelson Giovanelli, também fundador da Fazenda, ao expressar seu sentimento, ele usou as palavras de Chiara para agradecer. “O tesouro que a gente guarda aqui (coração) desde que o Frei Hans comunicou, doou, esse ideal que ele tinha encontrado, através de Chiara, nós tentamos e queremos transmitir. Então, eu, o Frei, a Iraci e a Luci, e todos aqueles que decidiram acompanhar esse caminho, essa nossa aventura na Fazenda da Esperança, estamos sentindo nesse momento de poder escancarar nosso coração e falar abertamente uma das pessoas que fez com que a gente entrasse nessa aventura”.

“Parece significativo, que o texto da leitura do Evangelho de hoje fala do exilio que aconteceu de 40 até mais anos. Não é que nós ficamos exilados durante 40 anos, desde que o Frei chegou na Paróquia. Mas é que a chegada do Focolare aqui praticamente confirma isso que estamos vivendo, né. Hoje nós gostaríamos com todos vocês que estão aqui na Capela e todas as Fazendas e todos que estão nos assistindo, todos que acompanharam nossa caminhada durante esses anos, do Movimento dos Focolares, aquilo que a gente tá vendo nascer”, destaca Nelson.

O padre Christian entregou para o acolhido Lucas Emanuel Barbosa o diploma, que é um certificado que um jovem um dia entrou na Fazenda da Esperança, não pra sair da droga, mas para aprender um novo estilo de vida. “Estive 12 meses na Fazenda da Esperança e através da vida em comunidade, do trabalho e da vivência do Evangelho, ele descobriu um estilo de vida capaz de libertar o ser humano de todos os males e conferi uma missão de ser embaixador da esperança em Santo André (SP)”, parabeniza o padre, que leu o diploma.

“Eu cheguei aqui há 1 ano atrás, totalmente sem esperança, mas graças a Deus, em conhecer a Fazenda, eu tinha uma família ainda que era portadora desse carisma da esperança. Estão aqui hoje e acreditaram em mim, amigos também presentes, né, que me trouxeram até aqui onde eu passei 1 ano com muita dificuldade, não com o externo, com aqui dentro (coração). Estou ainda nesse processo, dentro de tudo isso que foi apresentado e terminou um ciclo hoje. Mas a proposta continua amanhã e eu tenho sempre que renovar esse ciclo, essa proposta do amor, que só isso me recupera e me faz viver a essência que eu tenho que é Deus”, diz o acolhido Lucas, agradecendo o diploma.

No decorrer da missa foram apresentados os membros do Focolares na Fazenda da Esperança, sendo eles: João Batista, junto com Gustavo Donizette, Olivan, Wilson e Evelásio. Na oportunidade João Batista disse: “Movimento Focolares e a Fazenda da Esperança são duas instituições irmãs pela fraternidade universal, único Pai, sem dúvidas, mas também porque temos uma única mãe, a grande mãe de Jesus e de todos nós. O carisma da unidade é a raiz do qual nasceu seja o Movimento Focolares, seja a Fazenda da Esperança. O carisma da unidade tem uma condição pra ser realizado, pra ser vivido, que é o amor gigante sem medidas semelhante ao de Jesus.

Já Evelásio disse que desde 1987 diante, apesar de todo o orgulho e minha dureza, quando escutou a canção “vem, vem e segue-me”, começou a seguir até os dias de hoje. “Dei toda a minha vida e a alegria de entender que não epicentro da dor existe uma luz imensa do amor Dele. Agradeço imensamente a ele, a Maria, a mãe da Esperança, este carinho que teve por mim. Tantos anos afastado da minha família é como o reencontro dos irmãos que chegam para morar comigo. Desculpa, vocês são de vida comum e eu serei a janela do Focolare para proteger da maldade do mundo. Estamos juntos e na minha fragilidade só tenho uma coisa, dar a minha vida por todos vocês”, garante.

A corresponsável pelo Movimento, Juliana Fonseca, aproveitou a oportunidade para dá a sua palavra. “É uma alegria muito grande, é emoção. Esperamos por esse momento, é um dia muito especial para o nascimento dessa criança, como dizia João Batista. Caríssimo Frei Hans, caríssimo Padre Luiz, Luci, Iraci, Nelson, é um dia especial realmente. E a gente se une a vocês, nos unimos, a família Focolarina e a família da Esperança nessa grande alegria, nessa celebração, que é o pacto de unidade, pacto do amor recíproco e, em nome da obra de Maria, a gente tá aqui para selar esse pacto”.

E, por vídeo conferência, Dom Dino deu seu testemunho sobre a Fazenda e disse que o carisma da unidade e o carisma da esperança vão se fortalecer, vão servir cada vez mais a igreja. Ele ainda deu uma notícia triste, mas que serve de exemplo para todos. “Ontem, um padre, padre Fernando, da Diocese de Caruaru, morreu afogado porque ele tentou salvar uma mulher com seu filho de 5 anos. Ele salvou os dois e ficou. Quando se fala de dar a própria vida, eu disse esse padre Fernando deu a vida pelos irmãos. E esse padre Fernando não é um desconhecido na Fazenda. Padre Fernando também nos acompanha”.

Logo após Dom Dino, participaram também do evento: Sérgio Kanno, Dom Bernardo, Andrea Uiaschke, Flávio Rovere. O Bispo da Diocese de Óbidos, Dom Bernardo, que passou pela Paróquia Nossa Senhora da Glória, disse que estava muito contente por participar desse momento. “Eu também tive a graça, quando eu procurei a minha vocação de encontrar o Focolare e depois a Fazenda da Esperança através do Frei Hans. A gente já percebia naquela época jovens em torno do Nelson que queriam ser recuperados de seus vícios. Eu fui uma testemunha ocular de ver tudo aquilo que estava acontecendo e isso pra nós foi um momento muito grande, porque a nossa vocação foi se firmando também. Descobrimos a nossa vocação e eu depois segui com os Franciscanos, mas sempre com essa ligação com a Fazenda, junto também com o Focolare”, lembra Dom Bernardo.

A presidente internacional do Movimento Margaret Karram afirmou que estava feliz com esse momento único. “Estou muito emocionada por estar com vocês nesse momento histórico. Como vocês, talvez, já saibam eu nasci em Israel e para mim foi uma grande surpresa que Deus me elegeu para ser a nova presidente do Movimento dos Focolares. É uma experiência muito forte de Deus e eu senti toda a unidade de Nelson, Frei Hans, e de toda a família Esperança. Fico feliz em ver esse sonho realizado”.

Já o copresidente dos Focolares, Jesus Morán, que esteve na Fazenda da Esperança há 1 ano, disse que estava emocionado, pois viu nesse novo Focolares que Chiara está. “Eu conheci na sua casa, eu conheci a sua história, a sua arte. Me parece que esse Focolares é o mais lindo do mundo. Para dizer a verdade, eu me sinto realizado como focolarino, porque eu me sinto presente naqueles focolarino que estão ali, sinto que estou ali com eles na família da Esperança, que levam o carisma da Chiara na família da Esperança e recebe o carisma da Esperança como focolarino. Com esta cerimônia me faz sentir realizado, porque no fundo o que que une a unidade e a esperança. Eu creio que aquilo que une é Cristo abandonado e ressuscitado”. Antes de finalizar, os focolarinos receberam das Irmãs Clarissas a benção da Santa Clara.

Ascom ImagineAcredite

você também pode gostar...